7 maneiras da proteína animal prejudicar a sua saúde

 

Você conhece as 7 maneiras da proteína animal prejudicar a sua saúde? Hoje, é claro, sabemos que a maioria das proteínas de plantas e animais são “proteínas completas” (o que significa que contêm todos os aminoácidos essenciais de que precisamos). No entanto, as pessoas às vezes usam o termo “baixa qualidade” quando falam de proteínas vegetais porque elas tipicamente têm uma menor proporção destes aminoácidos essenciais em comparação com proteínas animais.

Mas é importante entender que ter uma maior proporção de aminoácidos essenciais, como a proteína animal, é prejudicial (não vantajoso) para a nossa saúde. Descrevemos sete maneiras pelas quais a proteína animal prejudica sua saúde.

Confira as 7 maneiras da proteína animal prejudicar a sua saúde:

1. Proteína e Fibra Animal (ou sua total ausência)

Ao contrário da proteína vegetal, que vem embalada com fibra, antioxidantes e fito nutrientes, proteína animal vem com exatamente nenhum dos anteriores. Carnes, ovos, aves, laticínios, peixes e outros alimentos animais não têm absolutamente nenhuma fibra.

Muitas pessoas, em seu esforço para “obter suficiente” proteína, tendem a comer grandes quantidades de alimentos animais, reduzindo os alimentos vegetais que têm esses nutrientes importantes. As deficiências de fibra, em particular, são bastante comuns.

Por exemplo, o Instituto de Medicina recomenda que os homens consumam 38 gramas de fibra, mas o adulto médio apenas come cerca de 15 gramas por dia – menos da metade da quantidade recomendada. De fato, de acordo com o Departaento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), quase todos os americanos (~ 95%) não consomem uma quantidade suficiente de fibra dietética.

A ingestão elevada de fibras está associada a um menor risco de câncer, especialmente câncer de cólon e mama, bem como menor risco de colite ulcerativa, doença de Crohn, constipação e diverticulite. Também podem reduzir o risco de acidente vascular cerebral, colesterol alto e doenças cardíacas.

2. Proteína animal e IGF-1 (aumento do risco de câncer)

Quando ingerimos proteínas que têm uma maior proporção de aminoácidos essenciais (que é uma característica da proteína animal), isto resulta em nossos corpos produzindo níveis mais elevados do hormônio de crescimento (IGF-1).

Este hormônio estimula a divisão celular e o crescimento em células saudáveis e de câncer e, por esta razão, ter maiores níveis circulantes de IGF-1 tem sido consistentemente associado ao aumento do risco de câncer, proliferação e malignidade.

3. Proteína animal e TMAO

O consumo de proteínas animais também resulta em níveis mais elevados de N-óxido de trimetilamina (TMAO). TMAO é uma substância que prejudica o revestimento de nossos vasos, cria inflamação e facilita a formação de placas de colesterol em nossos vasos sanguíneos. E isso, é claro, é altamente problemático para a saúde cardiovascular.

O TMAO é criado por interações complexas envolvendo nossa flora intestinal e os nutrientes nos alimentos que ingerimos. E quando comemos alimentos de origem animal, ele altera nossa flora intestinal de tal forma que facilita a criação de TMAO.

Assim, consumir alimentos animais resultam em níveis mais altos de TMAO, que são prejudiciais para nossos vasos. Mesmo sem todos os outros aspectos problemáticos dos alimentos animais, esta questão envolvendo TMAO é, de acordo com o recente presidente do Colégio Americano de Cardiologia Dr. Kim A. Williams, suficiente por si só para as pessoas a evitarem vigorosamente os alimentos de origem animal.

4. Proteína animal e fósforo

A proteína animal contém altos níveis de fósforo. E, quando consumimos grandes quantidades de fósforo, uma das formas do nosso corpo normalizar o nível de fósforo é com um hormônio chamado fator de crescimento fibroblástico 23 (FGF23).

FGF23 foi mostrado ser prejudicial aos nossos vasos sanguíneos. Também pode levar à hipertrofia do ventrículo cardíaco (aumento anormal do nosso músculo cardíaco) e está associado a ataques cardíacos, morte súbita e insuficiência cardíaca. Assim, comer proteína animal com sua alta concentração de fósforo pode resultar em níveis aumentados deste hormônio em nossos corpos, o que é altamente problemática para a nossa saúde.

5. Proteína animal, ferro heme e radicais livres

O ferro é o metal mais abundante no corpo humano. Podemos consumi-lo de duas formas: (a) ferro heme, encontrado amplamente em alimentos de origem animal como carne, aves e peixe; E (b) ferro não-heme encontrado amplamente em alimentos vegetais.

Um dos problemas com o ferro heme é que ele pode converter oxidantes menos reativos em radicais livres altamente reativos. E os radicais livres podem danificar diferentes estruturas celulares como proteínas, membranas e DNA.

Ferro Heme também pode catalisar a formação de compostos N-nitrosos em nossos corpos, que são carcinógenos potentes. Portanto, não surpreendentemente, o consumo elevado de ferro heme tem sido associado com muitos tipos de câncer gastrointestinal, bem como outras patologias.

É verdade que o ferro heme tem taxas de absorção e biodisponibilidade mais elevadas do que o ferro não heme. No entanto, o ferro em si pode causar estresse oxidativo e danos ao DNA, então com ferro em geral, nem sempre é uma situação onde “mais é melhor”.

Embora definitivamente precisemos de ferro, a absorção e biodisponibilidade de ferro de uma dieta bem-arredondada baseada em plantas é geralmente adequada, e pode evitar os problemas associados com ferro heme e outros problemas de saúde associados aos alimentos de origem animal.

6. Aminoácidos contendo maior teor de enxofre e problemas de saúde óssea

As proteínas animais também têm, em geral, concentrações mais altas de aminoácidos contendo enxofre, o que pode induzir um sutil estado de acidose quando metabolizado.  Um dos mecanismos que nossos corpos usam para compensar esta acidose é a lixiviação de cálcio de nossos ossos para ajudar a neutralizar o aumento da acidez. Com o tempo, isso pode ter um efeito prejudicial sobre a saúde óssea.

Esta é uma das razões pelas quais alguns estudos descobriram que as populações com maior consumo de leite, bem como o maior consumo de proteína animal em geral, têm uma maior incidência de fraturas ósseas.

7. Proteína animal e colesterol

A maioria dos alimentos de origem animal contém gordura saturada e colesterol (isto é verdade para as chamadas carnes “magras” como frango, peru e salmão, independentemente de como são cozidas ou preparadas – mesmo cozidas, cozidas ou cozidas no vapor).

Como seres humanos, não precisamos consumir qualquer colesterol, uma vez que nossos corpos sintetizam todo o colesterol que precisamos para nossas funções fisiológicas. Comer colesterol é um fato problemático para a nossa saúde, já que aumenta o risco de desenvolver doenças cardíacas – atualmente a causa número 1 de morte para homens e mulheres nos Estados Unidos.

A aterosclerose, ou placas de colesterol que se acumulam no revestimento de nossos vasos, é esquisitamente menos comum em uma dieta vegetal desprovida de produtos de origem animal. E alguns estudos descobriram que comer dessa maneira pode até mesmo reverter a aterosclerose.

O real “alta qualidade” Foods
Dadas todas as questões, o aspecto “de alta qualidade” da proteína animal pode ser mais apropriadamente descrito como “alto risco”.

E não há necessidade de se preocupar em obter proteína suficiente. Se você está comendo uma variedade razoável de alimentos vegetais (por exemplo, legumes, frutas, verduras, grãos, raízes, nozes e sementes), e você está comendo calorias suficientes (ou seja, você se sente satisfeito), não há necessidade de se preocupar com a dequação de proteínas (ou sobre a obtenção da quantidade certa de um nutriente ou outro).

Os aminoácidos que precisamos são estruturalmente idênticos, independentemente da fonte. No entanto, como discutido acima, existem implicações graves para a saúde, dependendo se os aminoácidos são embalados dentro de alimentos de origem animal ou vegetal. O Dr. Walter Willett, presidente do Departamento de Nutrição de Harvard, disse isso bem:

“Para os sistemas metabólicos envolvidos na produção e reparação de proteínas, é imaterial se os aminoácidos vêm de proteínas animais ou vegetais. No entanto, a proteína não é consumida isoladamente. Em vez disso, é embalado com uma série de outros nutrientes “.

Ele, portanto, recomenda que você “escolher os melhores pacotes de proteínas, enfatizando fontes de proteínas vegetais, em vez de fontes animais. “No final, os alimentos vegetais são os verdadeiros alimentos de “alta qualidade” que deveríamos comer para uma saúde ótima.

Fontes e referências:

1.Young VR , Pellett PL. Plant proteins in relation to human protein and amino acid nutrition. Am J Clin Nutr. 1994;59(5 Suppl):1203S-1212S.

2. Dunaif GE, Campbell TC. Relative contribution of dietary protein level and aflatoxin B1 dose in generation of presumptive preneoplastic foci in rat liver. J Natl Cancer Inst. 1987;78(2):365-369.

3. Youngman LD, Campbell TC. Inhibition of aflatoxin B1-induced gamma-glutamyltranspeptidase positive (GGT+) hepatic preneoplastic foci and tumors by low protein diets: evidence that altered GGT+ foci indicate neoplastic potential. Carcinogenesis. 1992;13(9):1607-1613.

4. Campbell TC. Dietary protein, growth factors, and cancer. Am J Clin Nutr. 2007;85(6):1667.

5. Ornish D, Weidner G, Fair WR, et al. Intensive lifestyle changes may affect the progression of prostate cancer. J Urol. 2005;174(3):1065-1069.

6. Kleinberg DL, Wood TL, Furth PA, Lee AV. Growth hormone and insulin-like growth factor-I in the transition from normal mammary development to preneoplastic mammary lesions. Endocr Rev. 2009;30(1):51-74.

7. Allen NE, Appleby PN, Davey GK, Kaaks R, Rinaldi S, Key TJ. The associations of diet with serum insulin-like growth factor I and its main binding proteins in 292 women meat-eaters, vegetarians, and vegans. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2002; 1(11):1441-1448.

8. McCarty MF. Vegan proteins may reduce risk of cancer, obesity, and cardiovascular disease by promoting increased glucagon activity. Med Hypotheses. 1999;53(6):459-485.

9. Tang WH, Wang Z, Levison BS, et al. Intestinal microbial metabolism of phosphatidylcholine and cardiovascular risk. N Engl J Med. 2013;368(17):1575-1584.

10. Koeth RA, Wang Z, Levison BS, et al. Intestinal microbiota metabolism of L-carnitine, a nutrient in red meat, promotes atherosclerosis. Nat Med. 2013;19(5):576-585.

11. Interview with Kim A. Williams Sr., MD, President of the American College of Cardiology (August 25, 2015; Chicago). http://meatyourfuture.com/2015/09/interview-with-kim-a-williams-sr-md-president-of-the-american-college-of-cardiology-extended-version. Accessado December 18, 2016).

12. Xiao Y, Peng C, Huang W, et al. Circulating fibroblast growth factor 23 is associated with angiographic severity and extent of coronary artery disease. PLoS One. 2013;8(8):e72545.

13. Ozkok A, Kekik C, Karahan GE, et al. FGF-23 associated with the progression of coronary artery calcification in hemodialysis patients. BMC Nephrol. 2013;14:241.

14. Atamna H. Heme, iron, and the mitochondrial decay of ageing. Ageing Res Rev. 2004;3(3):303-318.

15. Ward MH, Cross AJ, Abnet CC, Sinha R, Markin RS, Weisenburger DD. Heme iron from meat and risk of adenocarcinoma of the esophagus and stomach. Eur J Cancer Prev. 2012;21(2):134-138. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22044848 (accessado Jul. 4, 2016).

16. PJ Tuso, MH Ismail, BP Ha and C Bartolotto. Nutritional Update for Physicians: Plant-Based Diets. Perm J. 2013 Spring; 17(2): 61-66. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3662288 (accessado Jul. 4, 2016)

17. WJ Craig and AR Mangels; American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association: Vegetarian Diets. J Am Diet Assoc. 2009 Jul; 109(7): 1266–82. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19562864 (accessdo Jul. 4, 2016).

18. E Giovannucci. Dietary Influences of 1,25(OH)2 Vitamin D in Relation to Prostate Cancer: A hypothesis. Cancer Causes Control. 1998 Dec; 9(6):567-82. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10189042 (accessado Jul. 4, 2016).

19. Harvard T.H. Chan, School of Public Health: The Nutrition Source – Calcium and Milk: What’s Best for Your Bones and Health? Avalie aqui: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/calcium-full-story (accessado Jul. 4, 2016).

20. HC Sherman and AO Gettler. The Balance of Acid-Forming and Base-Forming Elements in Foods, and its Relation to Ammonia Metabolism. J. Biol. Chem. 1912 11: 323-338. Avalie aqui: http://www.jbc.org/content/11/4/323.citation (accessado Jul. 4, 2016).

21. D Feskanich, WC Willett, MJ Stampfer, GA Colditz. Protein Consumption and Bone Fractures in Women. Am J Epidemiol. 1996 Mar 1; 143(5):472-9. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8610662 (accessado Jul. 4, 2016).

22. LA Frassetto, RC Morris Jr., DE Sellmeyer, A Sebastian. Adverse Effects of Sodium Chloride on Bone in the Aging Human Population Resulting from Habitual Consumption of Typical American Diets. J Nutr. 2008 Feb; 138(2):419S-422S. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18203914 (accessadoJul. 4, 2016).

23. MM Adeva, G Souto. Diet-induced Metabolic Acidosis. Clin Nutr. 2011 Aug; 30(4):416-21. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21481501 (acessado Jul. 4, 2016).

24. US Barzel, LK Massey. Excess Dietary Protein can Adversely Affect Bone. J Nutr. 1998 Jun; 128(6):1051-3. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9614169 (acessado Jul. 4, 2016).

25. DM Hegsted. Calcium and Osteoporosis. J Nutr. 1986 Nov; 116(11): 2316-9. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3794834 (acessado Jul. 4, 2016).

26. K Michaëlsson, A Wolk, S Langenskiöld, S Basu, EW Lemming, H Melhus and L Byberg. Milk Intake and Risk of Mortality and Fractures in Women and Men: Cohort Studies. BMJ. 2014; 349: g6015. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25352269 (acessado Jul. 4, 2016).

27. D Feskanich, HA Bischoff-Ferrari, L Frazier and WC Willett. Milk Consumption During Teenage Years and Risk of Hip Fractures in Older Adults. JAMA Pediatr. 2014 Jan; 168(1): 54–60. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3983667/ (acessado Jul. 4, 2016).

28. HC Sherman, AR Rose and MS Rose. Calcium Requirement of Maintenance in Man. J. Biol. Chem. 1920 44: Avalie aqui: http://www.jbc.org/content/44/1/21.citation ( acessado Jul. 4, 2016).

29. BJ Abelow, TR Holford and KL Insogna. Cross-cultural Association between Dietary Animal Protein and Hip Fracture: A hypothesis. Calcif Tissue Int. 1992 Jan; 50(1):14-8. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1739864 (acessado Jul. 4, 2016).

30. LM Ausman, LM Oliver, BR Goldin, MN Woods, SL Gorbach and JT Dwyer. Estimated Net Acid Excretion Inversely Correlates with Urine pH in Vegans, Lacto-ovo Vegetarians, and Omnivores. J Ren Nutr. 2008 Sep; 18(5):456-65. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18721741 (accessado Jul. 4, 2016).

31. Centers for Disease Control and Prevention website: Life Stages and Populations – Deaths – Leading Causes of Death. Avalie aqui: http://www.cdc.gov/nchs/fastats/leading-causes-of-death.htm (acessado Jul. 4, 2016).

32. CB Esselstyn Jr. Updating a 12-year Experience with Arrest and Reversal Therapy for Coronary Heart Disease (An Overdue Requiem for Palliative Cardiology). Am J Cardiol. 1999 Aug 1;84(3): 339-41, A8. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10496449 (accessado Jul. 4, 2016).

33. CB Esselstyn Jr, G Gendy, J Doyle, M Golubic and MF Roizen. A Way to Reverse CAD? J Fam Pract. 2014 Jul; 63(7):356-364b. Avalie aqui:: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25198208 (accessado Jul. 4, 2016).

34. D Ornish, SE Brown, LW Scherwitz, JH Billings, WT Armstrong, TA Ports, SM McLanahan, RL Kirkeeide, RJ Brand and KL Gould. Can Lifestyle Changes Reverse Coronary Heart Disease? The Lifestyle Heart Trial. Lancet. 1990 Jul 21; 336(8708):129-33. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1973470 (accessado Jul. 4, 2016).

35. CB Esselstyn Jr, SG Ellis, SV Medendorp and TD Crowe. A Strategy to Arrest and Reverse Coronary Artery Disease: A 5-year Longitudinal Study of a Single Physician’s Practice. J Fam Pract. 1995 Dec; 41(6):560-8. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7500065 (accessado Jul. 4, 2016).

36. TC Campbell, B Parpia and J Chen. Diet, Lifestyle, and the Etiology of Coronary Artery Disease: the Cornell China Study. Am J Cardiol. 1998 Nov 26; 82(10B):18T-21T. Avalie aqui:: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9860369 (accessado Jul. 4, 2016).

37] CB Esselstyn Jr. Resolving the Coronary Artery Disease Epidemic Through Plant-Based Nutrition. Prev Cardiol. 2001 Autumn; 4(4):171-177. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11832674 (accessado Jul. 4, 2016).

38. Usual Intake from Food and Beverages 2007-2010 Compared To Dietary Reference Intakes; Part E. Section 2: Supplementary Documentation to the 2015 DGAC Report. Scientific Report of the 2015 Dietary Guidelines Advisory Committee. Avalie aqui: http://health.gov/dietaryguidelines/2015-binder/meeting2/docs/refMaterials/Usual_Intake_072013.pdf (accessado Jul. 4, 2016).

39. NS Rizzo, K Jaceldo-Siegl, J Sabate and GE Fraser. Nutrient Profiles of Vegetarian and Nonvegetarian Dietary Patterns. J Acad Nutr Diet. 2013 Dec; 113(12):1610-9. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23988511 (accessado Jul. 4, 2016).

40. JY Wick. Diverticular disease: Eat your fiber! Consult Pharm. 2012 Sep; 27(9): 613-8. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22982746 (acessado Jul. 4 2016).

41. A Dilzer, JM Jones and ME Latulippe. The Family of Dietary Fibers: Dietary Variety for Maximum Health Benefit. Nutrition Today. 2013 May/June; 48(3):108-118. Avalie aqui: http://journals.lww.com/nutritiontodayonline/Abstract/2013/05000/The_Family_of_Dietary_Fibers__Dietary_Variety_for.5.aspx (acessado Jul. 4, 2016).

42. PJ Skerrett and WC Willett. Essentials of healthy eating: a guide. J Midwifery Womens Health. 2010 Nov-Dec; 55(6): 492-501. Avalie aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20974411 (acessado Jul. 4, 2016).

Forks Over Knives

11 principais motivos para nunca mais comer peixes
Dicas para aderir o Veganismo além da alimentação
5 fatos que apontam como o consumo de ovos pode te matar
18 médicos veganos norte-americanos que você precisa conhecer
10 sobremesas veganas que agradam os paladares mais exigentes
13 ótimos vídeos sobre as proteínas que todos devem assistir

2 Comentários

  1. Ola, poderia me passar a base teoria desta notícia por favor? O texto é incrível, mas preciso da confirmação dos dados, sejam eles artigos científicos, capitulo de livro, etc… agardo resposta!

Deixe um comentário.