A realidade não tão doce do Mel de abelha

Você conhece a realidade não tão doce do Mel de abelha? Mel é provavelmente o produto mais confundido como sendo vegano-amigável. Existe um equívoco comum de que as abelhas fazem seu mel especialmente para nós, mas isso não é verdade.

Na realidade, o mel é feito por abelhas para abelhas, e sua saúde é sacrificada quando é colhida por seres humanos. Quando mergulhamos um pouco mais no processo de como o mel é feito, torna-se bastante claro que o mel cai bem fora da definição do veganismo como uma “maneira de viver que procura evitar toda exploração e crueldade com os animais”.

O que é o mel?

O mel é a única fonte de alimento e nutrientes essenciais de uma abelha durante o inverno. Uma abelha visitará até 1.500 flores para coletar néctar suficiente para preencher o “estômago do mel”; um segundo estômago separado em que as enzimas começam a quebrar o néctar no mel. Depois de retornar à colmeia, isso é regurgitado e mastigado por “abelhas domésticas” para completar o processo de fabricação de mel. A colmeia funciona como um coletivo para fornecer a cada membro um suprimento adequado, cada abelha produzindo apenas um duodécimo de uma colher de chá de mel em sua vida: significativamente menos do que a maioria das pessoas espera. Isso é fundamental para o bem-estar de uma colmeia.

Infelizmente, a maioria dos apicultores comerciais muitas vezes roubam o mel das abelhas, substituindo pelo xarope de milho de alta frutose. Então as abelhas não conseguem aproveitar os frutos do próprio trabalho, que é fundamental para seu bem-estar.

Práticas não éticas na produção de mel

  • As alegações recentes de que consumir mel ajudará a população de abelhas a prosperar simplesmente não são verdadeiras. Quando os agricultores o removem de uma colmeia, eles o substituem por um substituto do açúcar, que é significativamente pior para a saúde das abelhas, pois não possui os nutrientes, gorduras e vitaminas essenciais do mel. As abelhas então se esgotam trabalhando para substituir o mel ausente.
  • As abelhas são criadas especificamente para aumentar a produtividade. Já uma espécie em extinção, essa criação seletiva estreita o pool de genes da população e aumenta a suscetibilidade a doenças e doenças em grande escala. As doenças também são causadas pela importação de diferentes espécies de abelhas para uso em colmeias.
  • Essas doenças são então  espalhadas para os milhares de outros polinizadores que  nós e outros animais confiamos, contrariando o mito comum de que a produção de mel é boa para o nosso meio ambiente.
  • Além disso, muitas colmeias são retiradas depois da colheita para reduzir os custos do agricultor. As abelhas muitas vezes têm as asas cortadas pelos apicultores para evitar que saiam da colmeia para produzir uma nova colônia em outro lugar, o que diminuirá a produtividade e diminuirá o lucro.
  • Somente nos EUA, a quantidade de mel produzida aumentou 19% entre 2013 e 2014, e a popularidade do mel não mostra sinais de desaceleração. A indústria do mel, como muitas outras indústrias comerciais, é lucrativa, onde o bem-estar das abelhas é sempre secundário ao lucro comercial.

Efeitos ambientais causados pela produção do mel

Ao invés de ajudar com a atual crise das abelhas, a criação em massa  afeta negativamente as populações de outros insetos concorrentes do nectar. Impactado pelas altas quantidades de abelhas cultivadas, os números dos zangões nativos e de várias espécies de aves diminuíram.

A importação de mel para o Reino Unido também aumenta nossa pegada de carbono através das emissões associadas ao transporte. De todo o mel consumido no Reino Unido, 90% são importados, principalmente da China e do Peru.

Alternativas veganas para substituir o mel de abelha

Ao contrário das abelhas, os seres humanos podem prosperar sem mel nas suas dietas. Felizmente, há uma série de alternativas veganas prontamente disponíveis:

  • xarope de bordo / Maple syrup
  • Néctar de coco
  • Néctar Agave
  • Stevia
  • Melaço
  • Mel de maçã
  • Xarope dourado

Nenhum Comentário

Deixe um comentário.