Os veganos devem aceitar o antiveneno?

É uma pergunta que você como vegano obrigatoriamente vai ouvir uma hora ou outra: “Você aceitaria o antiveneno se você fosse mordido por uma cobra / aranha?” Como você pode responder, especialmente quando o questionador está agitando a bandeira da “exploração animal”?

Você responde dizendo: “Sim, eu aceitaria o antiveneno, e aqui está o porquê”.

É melhor admitir adiantadamente que você aceitaria “produtos animais” no caso de uma emergência, assim como você provavelmente tomaria remédios que contêm ingredientes derivados de animais e sem dúvida foram testados em animais.

Em uma sociedade em que a exploração animal está tão profundamente enraizada em todos os aspectos de nossas vidas, escolhas como essas não são escolhas. Elas estão além do controle razoável de um vegano. Aceitar o antiveneno (ou medicação prescrita, por exemplo), muitas vezes é necessário para a sobrevivência de um indivíduo.

Assim como os carnistas podem começar a gritar “Hipócrita”, é hora de estabelecer os fatos muito reais sobre o tipo e a frequência da exploração animal na sociedade.

Aceitar o antiveneno não os faz um vegano ser hipócrita, entretanto um não vegano que acusa um vegano em sua exploração animal é. Antivenenos e medicamentos são necessidades vitais, ao contrário de comer produtos animais, usar produtos animais, usar produtos testados em animais ou pagar para ver animais em cativeiro – estas horríveis formas de exploração animal são uma ocorrência cotidiana, e são atividades que a pessoa perguntando a um vegano sobre o antiveneno provavelmente participa. Compare a ordenha de algumas cobras para a ordenha em larga escala de 1,69 milhões de vacas leiteiras somente na Austrália.

Para o bem da ciência e da matemática, vamos entrar na lógica do carnismo por um momento. Vamos descobrir o quão provável é que você precise de soro de uma cobra no próximo ano.

Vamos usar um residente da Austrália como um exemplo, já que a maioria das espécies de serpentes australianas são venenosas.

Vamos fazer a matemática.

Existem cerca de 23 milhões de pessoas vivendo na Austrália.

Apenas cerca de 3000 picadas de cobra são relatadas a cada ano, das quais 200-500 exigem / recebem soro [fonte].

Uma equação básica para mostrar minha matemática está correta:

2 pessoas em cada 10: 2/10 = 20% ou 2/10 x 100% = 20%).

Assim, 500 pessoas de 23.000.000: 500 / 23.000.000 x 100 = 0.00217391%

Assim sendo, cada ano, um residente australiano tem uma chance de 0,00217391% de tomar soro.

Isso é menos do que 1%  por cento da população explorando cobras para o antiveneno – e apenas uma vez.

Agora, aqui está o ponto: Apenas cerca de um por cento da população australiana é vegana, o que significa que 99% dos australianos estão explorando animais diariamente – e desnecessariamente.

Quantos produtos animais, ou produtos testados em animais, um comprador australiano pode trocar por opções sem crueldade? Todos eles, o que significa que a grande maioria da população explora e assassina animais desnecessariamente, ao mesmo tempo que questiona veganos sobre cenários altamente improváveis ​​que exigem exploração animal, como o cenário de mordida de cobra. Claro, isso não é específico para a Austrália.

Para reiterar, mordidas de cobra e a necessidade de soro se encaixam na cláusula “na medida do praticável e possível” do veganismo. Há uma diferença significativa entre salvar sua própria vida explorando animais e continuar a explorar e matar animais porque você não pode sair da sua zona de conforto.

A realidade não tão doce do Mel de abelha
11 principais motivos para nunca mais comer peixes
Dicas para aderir o Veganismo além da alimentação
5 fatos que apontam como o consumo de ovos pode te matar
18 médicos veganos norte-americanos que você precisa conhecer
10 sobremesas veganas que agradam os paladares mais exigentes

Nenhum Comentário

Deixe um comentário.